Todos nós já vimos algum cachorro fantasiado, de roupinha ou de chapéu.

O que você acha?

Fofinho? Engraçado? Ridículo?

Será que o animal está gostando?

Somos todos diferentes e os animais também.

Há os que gostam, aqueles que nem se incomodam, outros que detestam e fazem de tudo para retirar a fantasia ou até ficam paralisados e se transformam em estátuas.

O mais importante é respeitar seu animal.

Se ele parece gostar ou não se incomoda, certifique-se que a fantasia é segura. Ela não pode soltar pedaços de tecido ou botões. Eles podem ser engolidos e causar uma obstrução gástrica ou intestinal – emergência veterinária no Carnaval, nem pensar!

O tecido também não pode ser muito quente e a fantasia não deve estar apertada – o ideal e testar: deve caber 2 ou 3 dedos entre ela e o corpo do animal.

No caso dos gatos, esqueça! Eles possuem a sensação tátil muito desenvolvida e não suportam nada sobre o corpo. Já passei por algumas situações em que o gato usava uma roupa (cirúrgica ou de inverno) e ficava absolutamente imóvel ou desconfortável rodando, pulando, andando de ré até alguém retirar a roupa dele.

A roupa ou acessório também podem atrapalhar a linguagem corporal do animal. O movimento de orelhas, a posição do corpo e da cauda dizem muito sobre as emoções dos animais (clique aqui para saber mais).

Para saber mais sobre roupa cirúrgica, clique aqui.

Eu confesso que não gosto muito,  eles ficam mais leves e confortáveis sem nada (já bastam os pelos neste calorão!).

Mas é claro que um adereço na cabeça ou no pescoço podem deixar o cão até prosa da sua beleza!

Se você e seu cão curtem o Carnaval, divirtam-se!

Leia mais →

Se você está sentindo muito calor, imagine seu cão ?

Quando a temperatura aumenta, precisamos tomar alguns cuidados com os cães.

Vocês já perceberam que  eles não suam como nós?

Eles não conseguem perder calor através do suor, porque tem o corpo coberto por pelos. Eles precisam arfar e trocar o ar quente e umido pelo ar mais frio que é inspirado. Por isso ficam tão ofegantes.

Todo aquele líquido que pinga do focinho e língua deles não é suor! Sua função é somete proteger e hidratar as mucosas.

Quando a temperatura aumenta, os passeios devem ser em horários mais frescos e sempre pela sombra.

Nós usamos sapatos para sair na rua, mas os cães não! Se o chão estiver muito quente, as “almofadinhas” das patas podem queimar. Um bom teste é apoiar as palmas das mãos no chão – se estiver queimando, não leve seu cão para passear!

Se a temperatura estiver muito alta e o animal estiver se exercitando, pode ocorrer um quadro grave chamado intermação.

Se o seu cão se recusar a andar, estiver cansado e muito ofegante, faça uma pausa – na sombra – ofereça água e molhe a cabeça, pescoço, peito e virilhas dele com água fria. Só retome a caminhada se ele estiver se recuperado.

Alguns cães não conseguem perceber a gravidade do quadro e continuam seguindo seu humano e o quadro de intermação pode agravar muito e até levar a morte.

Inicialmente o animal fica extremamente ofegante, com a língua e gengivas pálidas e baba bastante. Se a situação agravar, as mucosas podem até ficar cinza-azuladas indicando uma situação realmente de risco. O corpo do cão fica mole e incoordenado e se a temperatura corporal exceder os 41ºC, podem ocorrer alterações na coagulação sanguínea levando a danos no cérebro, rins, coração e pulmões. Infelizmente muitos animais apresentam convulsões, entram em coma e não resistem.

A obesidade também é um fator agravante, pois ela afeta a termoregulação, dificultando a perda de calor do corpo.

Algumas raças também apresentam mais dificuldade em perder calor e atingir a homeotermia (equilíbrio da temperatura).

Algumas são extremamente peludas como o husky siberiano, o chow chow e o akita esta pelagem é preparada para suportar temperaturas muito frias.

Os animais de “cara achatada” (braquicefálicos) não conseguem arfar de forma eficiente para resfriar o corpo. São os buldogue franceses, pugs, buldogues e também os gatos persas.

Os animais de pele muita clara (cor de rosa) e pelos brancos podem sofrer queimaduras de sol e até desenvolver cancer de pele.

Há inclusive a indicação de aplicar protetor solar nas orelhas e focinhos de alguns animais.

É fundamental manter sempre água fresca à vontade.

Ah, não se preocupe se ocorrer uma diminuição no apetite do seu animal nos dias mais quentes. Também é normal que eles prefiram comer à noite.

Teoricamente os pelos servem como isolante térmico, tanto para o frio como para o calor. Pensando assim, não seria interessante tosar os animais no verão, mas é muito comum após a tosa de um bicho peludo notar que ele parece se sentir mais leve. Acredito que as famílias devem fazer um teste para avaliar se o animal demonstrou estar mais ou menos confortável após a tosa.

A pelagem também serve para proteger a pele de queimaduras solares e picadas de insetos.

Você já deve ter percebido que os animais perdem bastante pelo assim que começa a esquentar. É como se eles se preparassem para usar um casaco mais leve durante o verão.

Mas quando o calor é intenso e o cão é muito peludo, a tosa pode até ajudar.

Mas é fundamental tomar cuidado para a temperatura no momento da tosa  não ficar insuportável para o cão e para o tosador. Se precisar usar mordaça, atenção! Ela pode limitar a abertura da boca dificultando a perda de calor.  Existem modelos que impedem a mordedura, mas  o cachorro abre a boca completamente (tipo cestinha). Para saber mais sobre tosa, clique aqui.

  • Nunca deixe seu animal sozinho no carro. A temperatura pode atingir níveis altíssimos e ele pode não suportar.
  • Os cães que gostam de água podem se molhar sempre que possível, mas evite usar sabão ou shampoo mais que uma vez por semana. Também é importante secar a pelagem!
  • O verão é a estação das pulgas – previna a infestação regularmente. Saiba mais clicando aqui.
  • Cuidado com piscinas. Muitos cães pulam dentro, mas não sabem sair. Eles são capazes de nadar, mas se estiverem exaustos, podem se afogar. Cubra ou cerque a piscina para evitar acidentes. Se você deixa seu cão entrar na piscina, instale uma escada que permita a saída dele, quando quiser. Saiba mais clicando aqui
  • Se o seu cão tem a pelagem curta, borrife água fria nele durante o passeio! Isso se ele gostar, é claro.

Os gatos se expõem menos a estes riscos porque vivem dentro de casa ou quando saem, escolhem sempre andar pela sombra!

Eles costumam até gostar do calor!

Eles comum observá-los deitados sob o sol, sobre aparelhos que esquentam (monitor, TV etc) mesmo neste calorão.

Mas também existem as exceções, muitos gatos escolhem deitar no chão frio e dormem de barriga para cima, parecendo que estão refrescando a barriga…

 

 

Leia mais →

Os cães e gatos têm um olfato poderoso e sentem o cheiro maravilhoso das comidas especiais do fim de ano.
Mesmo que seu animal não esteja acostumado a comer comida de gente, é possível que ele não resista à tentação.
Nesta época de festas, com a casa cheia, crianças e muita comida disponível, devemos redobrar a atenção.

Alguns alimentos são potencialmente tóxicos para cães e gatos como chocolate, bebidas alcoólicas e gorduras. Mesmo um pedaço de peru pode ser bastante indigesto e levar seu animal a um quadro de vomito, diarreia e desidratação.

Um pedaço pequeno para um ser humano pode ser enorme para um cão de 3 Kg.
Evite deixar os alimentos ao alcance dos animais – cubra, coloque numa prateleira alta, evite migalhas no chão, feche a porta ou até mesmo proteja os animais, separando-os noutro cômodo da casa.
Não esqueça de avisar às visitas que cães e gatos não devem comer rabanada, pão, nozes, fios de ovos, uvas…
Pode parecer exagero, mas é proteção.
Já passei muitos plantões no dia seguinte das festas cuidando de animais que comeram comida de gente e passaram mal.

Também existe o risco deles engolirem pedaços de embalagens de presentes e de alimentos e sofrerem algum problema intestinal causada por um corpo estranho.
É possível educar um cão e ensiná-lo a não “roubar” comida.
Antigamente, se recomendava punir o animal na “hora do flagrante” .

Para não ser punido, geralmente o cão para de roubar comida na presença de alguém, mas ele não aprende que roubar comida é uma atitude inadequada.

Está provado que não se deve punir os cães e gatos para educá-los.

As punições os deixam assustados, ansiosos e na maioria das vezes, com medo das pessoas.
Ensinar 1 comando como “larga” é muito útil para o cão soltar a comida (ou qualquer outro objeto roubado), evitando problemas digestivos.

Um Feliz Natal e uma ajudinha para montar a árvore de Natal!

Que 2019 seja um ano suave e saudável!

Leia mais →

Quem já passou por esta experiência sabe bem a confusão que é o primeiro passeio na rua, de guia e coleira.

Cachorro-estátua, mordidas na guia, embolação nas pernas e as vezes até tombo!

Todos sabem que os filhotes só podem sair para passear na rua, pisando no chão, quando termina o esquema de vacinação.

Eu sempre recomendo que eles conheçam a rua com todos seus barulhos e mistérios (imagina o que significa um caminhão de lixo para um filhote!), desde cedo, especialmente na fase entre 2 e 4 meses.

Este é um período sensível, quando os filhotes precisam ser socializados (para saber mais sobre vacinas e socialização, clique aqui).

Mas o tão esperado momento de passear, correr, conhecer outros cães e gastar toda aquela energia só ocorre aproximadamente entre 3 e 4 meses.

Mas para passear, precisamos de coleira e guia, certo?

Certíssimo!

Mas como fazer um filhote aceitar aquela coleira no corpo que ainda por cima tem uma guia acoplada que limita seus movimentos?

O ideal é começar aos poucos.

Compre uma guia e coleira assim que seu filhote chegar na sua casa.

Comece mostrando a coleira e guia para o filhote. Deixe no chão para que ele se aproxime espontaneamente. Se precisar, coloque uns pedacinhos de petiscos ou ração próximo ou até mesmo em cima da coleira.

A ideia é ele gostar e associar estes objetos novos a sensações prazerosas, positivas.

Aos poucos, coloque somente a coleira e deixe por pouco tempo.

Tente distrair o filhote brincando enquanto ele estiver aceitando bem e elogie bastante.

Se ele detestar, ficar imóvel ou quiser tirar, retire e tente novamente.

Aos poucos, aumente o tempo com a coleira no pescoço dele.

Quando ele estiver relaxado, é hora de prender a guia na coleira.

Inicialmente, deixe a guia solta, ele provavelmente vai andar pela casa, arrastando a guia.

Fique por perto e tome cuidado para a guia não prender em nenhum móvel! O filhote pode ficar preso e assutado ou na pior das hipóteses, puxar com força e acabar caindo algum objeto em cima dele.

Quando ele estiver acostumado com a coleira e a guia presa, comece a segurar a guia. Aos poucos aumente o tempo e experimente “guiá-lo” em casa.

Após este período de treinamento, seu filhote estará mais acostumado e é provável que o primeiro passeio não seja uma cena de filme de comédia!

É hora de passear!

Se ele estiver puxando muito a guia, pare imediatamente. Ele precisa entender que se ele puxar, você não anda.

Assim que ele se aproximar de você e a guia não estiver esticada a sua frente, volte a caminhar e elogie-o bastante.

Também podemos premiar o cão que está relaxado, andando ao nosso lado, com pequenos pedaços de petiscos, conforme andamos juntos.

A princípio, esqueça aquelas ideias que o cão precisa estar alinhado ao seu joelho, do lado esquerdo.

Não é recomendado dar trancos, puxões e broncas para o filhote perceber esta dinâmica.

Os cães precisam usar coleira e guia para passear na rua!

A experiência de andar com seu cão solto e livre é maravilhosa, mas não é possível fazê-la na cidade.

Além do risco de acidentes, precisamos respeitar as pessoas que não se sentem a vontade, perto de um cão.

Para saber mais sobre passeios, clique aqui.

Existem muitos tipos de coleiras e guias.

Finas, grossas, de nylon, de couro, peitorais e até alguns modelos especiais para adestramento e controle daqueles cães que são “puxadores” profissionais!

Aos poucos, você saberá (se precisar, peça ajuda para o/a veterinário/a e adestrador/a dele) qual o melhor modelo para seu cão.

Eu sempre prefiro as peitorais, elas são mais gentis!

Não use correntes e enforcadores. Elas são desconfortáveis, muito pesadas e frequentemente machucam e “cortam” os pelos ao redor do pescoço. Ainda há o risco de causar lesões cervicais e aumentar a pressão intraocular.

Muitos cães aprenderam a andar de coleira e guia através de trancos e puxões. Mas não é o melhor jeito de criar uma relação de confiança com seu cão…

Atualmente sabemos que estas técnicas são desnecessárias, eles são capazes de aprender somente com elogios e uma boa dose de paciência.

 

 

 

 

 

 

Leia mais →

Muitas crianças sonham e imploram para ganhar um cão ou um gato de presente.

O Natal é uma oportunidade para elas realizarem este sonho.

Mas os animais não são objetos, não podem ser trocados, descartados ou doados se não se adaptarem bem ao novo ambiente.

Ter um animal de estimação é uma experiência riquíssima e só mesmo vivendo e experimentando, para conhecer o amor que nasce nesta relação.

O convívio de crianças com animais é muito enriquecedor (saiba mais clicando aqui), elas aprendem a serem responsáveis e a respeitar o limite do outro entre outras experiências riquíssimas.

O problema surge quando a família não está decidida e preparada a conviver com um animal de estimação.

Ter um cão ou gato requer dedicação, tempo, planejamento e investimento financeiro.

Mesmo que a criança se comprometa a ajudar, realizando tarefas simples (como trocar a água ou escovar os pelos), a responsabilidade é dos adultos.

Os gatos exigem menos dedicação, não precisam passear, são menos dependentes e mais silenciosos. Mas também precisam de cuidados e atenção.

Os cães precisam de MUITA atenção, adestramento básico, passeios, atividades físicas e mentais além de muito carinho.

A expectativa de vida dos cães e gatos gira em torno de 12 anos (podendo chegar a 20!) e muitas pessoas não podem se comprometer por este longo período.

Se alguém na família for alérgico, vale a pena escolher bem o tipo de pelagem (saiba mais clicando aqui).

Não se esqueça de checar se no local onde a pessoa mora, é permitido ter animais.

Outra consideração importante é em relação às viagens. É preciso planejamento para não ser pego de surpresa na hora de arrumar as malas e programar a hospedagem do animal ou combinar com alguém para cuidar dele (saiba mais clicando aqui).

A decisão de ter um animal de estimação deve ser muito bem planejada. Por isso eu acho perigoso dar animais de presente.

Se após muita reflexão a decisão for por adquirir um animal, considere adotar ao invés de comprar. Existem muitas instituições com animais a disposição para adoção.

Se a ideia for adquirir um animal de raça, estude bem as características das raças e a qualidade das criações.

Conheça os locais que os animais são criados e tire todas as suas dúvidas.

Sejam felizes e Feliz Natal!

 

Leia mais →

Quando pensamos em visão, olfato, audição, tato e paladar, temos nossas referências humanas, claro. Nós somos humanos.

Mas temos muito a refletir sobre como os cães e gatos percebem o mundo, será que eles vivem e sentem como nós ?

Muita gente acredita que sim, mas esta confusão pode gerar muitos problemas, afinal são muitas as diferenças.

Inicialmente devemos pensar sobre como eles nos consideram, nos enxergam, nos cheiram, nos sentem.

Para nós, eles são animais de estimação para nos fazer companhia, para dividirmos nossas vidas, nosso amor e afeto.

Antigamente era muito comum os animas terem uma vida separada da família, viviam no quintal, do lado de fora da casa para exercer alguma função como a de guarda, por exemplo.

Atualmente é raro convivermos com animais que tem uma função, um trabalho e que recebem abrigo, carinho e alimento como “pagamento”.

Geralmente estes animais exercem estas funções em instituições, como Polícia, Bombeiros ou trabalham como guias de cego ou ajudantes de pessoas com necessidades especiais.

Para nós humanos, eles fazem parte das nossas famílias!

E nós para eles, o que somos?

Família? Grupo? Matilha? Protetores?

É difícil definir, por mais que se estude o comportamento dos cães e gatos.

Mas nós sabemos as diferenças da percepção dos sentidos. E entender as diferenças, já nos ajuda muito:

VISÃO

Os cães e gatos nascem cegos, seus olhos só começam a abrir por volta da segunda semana de vida e eles começam a enxergar o mundo aos poucos.

Eles não são capazes de enxergar todas as cores como nós, mas também não é em preto e branco como muitos acreditam.

grafico cores Gato: 450561

Cão: 429555

Homem: 400780

Tartaruga : 450620

Passariformes: 370570 Rato: 510 

Visão das cores, pelo cão

Visão das cores, pelo cão

 

 

No gráfico acima podemos ver que enquanto nós humanos enxergamos quase toda extensão (do roxo ao preto) os cães e gatos só são capazes de distinguir as cores no intervalo entre o azul, o verde e o amarelo. Na barra de cores, vemos a representação das cores que o cão enxerga.

Mas em compensação, os gatos (por exemplo) possuem uma capacidade muito maior que a nossa para perceber os movimentos. Por isso são capazes de pegar uma borboleta no ar com muita facilidade. Esta diferença se deve ao maior número de bastonetes (células responsáveis pela percepção de movimento) que eles possuem.

Os cães e gatos também enxergam melhor do que nós humanos, no escuro. Não é necessário deixar uma luz ligada para eles durante a noite, por exemplo!

A posição dos olhos, mas lateralizados na cabeça, também confere um maior ângulo de visão que o nosso e isto significa que eles possuem uma melhor visão lateral que a nossa.

Outra consideração importante é em relação a perda da visão. Para nós, este é o sentido mais importante. Quando nos deparamos com um animal de estimação que está ficando cego, nos imaginamos no lugar dele e é comum uma sensação de dor e desespero muito grande. Mas não é bem assim. Para eles, mais importante que a visão é o olfato e também a audição.

Nos idosos, a diminuição da visão é gradual e como a capacidade de adaptação dos animais é muito grande eles são capazes de conviver bem com esta dificuldade. Podemos ajudar evitando trocar móveis de lugar e marcando alguns locais com um perfume suave.

Para saber mais sobre perda de visão em cães e gatos, clique aqui.

Saiba mais sobre cuidados com cães e gatos idosos, clicando aqui.

OLFATO

Os cães e gatos nascem com a capacidade de encontrar sua mãe para se alimentarem e se aquecerem, através do olfato e de receptores de calor.

Mas eles ainda não conhecem nem reconhecem todos os cheiros.

Os cães possuem o melhor olfato entre as espécies domésticas. Eles possuem 40 vezes mais células receptoras que nós, humanos.

Os odores exercem função de comunicação para os animais. Por isso eles cheiram tanto o chão, fezes, urina e o bumbum de outros animais. Eles são capazes de saber se passou por ali um macho ou fêmea, se estava no cio, se era um animal adulto ou filhote…e até dizer: oi, tudo bem, eu te reconheço!

Esta é a principal razão para não usarmos nenhum tipo de perfume nos nossos animais, atrapalhamos muito a percepção olfativa deles.

Também é fundamental permitir que os animais inspecionem e cheirem o chão e as superfícies que interessarem a eles. Por mais que pareça estranho e até nojento para nossa avaliação humana, para eles é uma forma de “ler” o mundo. Impedir que um animal cheire é como atrapalhar alguém que está tentando ler um jornal…

Deixar uma camisa usada pelo dono para o animal se sentir mais seguro quando ele fica sozinho em casa ou vai passar alguns dias numa hospedagem ou numa internação, pode ajudar muito.

AUDIÇÃO

Os filhotes nascem com os ouvidos fechados e completamente surdos.

Entre o 5º e 8º dia os ouvidos começam a abrir e a capacidade auditiva vai aumentando aos poucos.

Os cães e gatos escutam numa frequência mais extensa que a nossa. Isto significa que não somos capazes de ouvir alguns sons que eles percebem. Às vezes eles reagem a algum estímulo sonoro que nós nem percebemos e devemos tomar cuidado para não achar que eles estão malucos: ” meu animal é doido, late (ou fica olhando) para o nada!”

Pode ser que ele tenha percebido algum sinal que os ouvidos humanos não são capazes de ouvir…

Enquanto os gatos são capazes de ouvir frequências entre 48Hz e 85 000Hz e os cães entre 15Hz e 50 000Hz, nós humanos percebemos frequências entre 20 Hz e 20 000Hz

Os filhotes de gatos emitem ultrasons para atrair a atenção das mães e nós não somos capazes de ouvir!

Os animais que utilizam sons para se orientar no espaço, percebem uma frequênica ainda maior: morcegos ouvem a faixa 1 000Hz – 120 000Hz e os golfinhos, 70 Hz – 240 000Hz.

Alguns animais reagem “cantando” ou uivando a algumas músicas,  sons e até notas musicais específicas.

Evite soltar fogos, estalinhos, usar cornetas ou expor seu animal a estímulos sonoros desagradáveis. Eles possuem  ouvidos muito sensíveis.

Lembre que mesmo ouvindo ele pode não entender o significado do que você está falando. Os animais aprendem um vasto vocabulário, se alguém ensinar e repetir constantemente.

Mas não adianta se lamentar ou reclamar com seu animal num tom doce e esperar que ele compreenda…ele vai achar que está recebendo um elogio.

Também devemos evitar falar e usar comandos de adestramento de forma agressiva.

Se o animal demonstra sinais de medo, o aprendizado pode ser comprometido e atrapalha a relação de confiança conosco.

Todo elogio deve ser doce e suave.

Facilita a compreensão dos nossos animais.

TATO

Os gatos possuem uma percepção tátil muito desenvolvida.

Isto explica algumas atitudes e nos ajuda a tratar alguns desvios comportamentais.

Se o seu gato não está usando a bandeja sanitária, pode ser que ele tenha aversão a encostar, sentir e tocar na textura da areia utilizada, experimente trocar a marca ou o tipo. Se ele está usando um vaso de plantas para defecar ou urinar, espete palitinhos de dente na terra. Não vai machucá-lo, mas ele deve desistir de usar este local.

Evite colocar roupas ou acessórios nos gatos, eles podem “virar estátuas” ou se desesperarem para se livrar do “peso”.

PALADAR

Os cães e gatos possuem menor número de papilas gustativas (responsáveis pela percepção do sabor) que os humanos.

É claro que eles também tem preferências, mas são diferentes das nossas.

Quem nunca viu um animal adorar um cheiro que para nós é extremamente desagradável?

Como o olfato dos cães e gatos é super potente, eles se interessam por cheiros interessantes, mas isto não significa que eles também sentem os sabores com a mesma intensidade.

Os gatos detectam melhor os sabores salgados que os doces e também preferem alimentos aquecidos.

Outra consideração importante são os hábitos alimentares. Antigamente, quando eles precisavam caçar para se alimentar, comiam carne crua, roíam ossos e as vezes restos (muitas vezes estragados).

É interessante apresentar diferentes alimentos (especialmente frutas e legumes) para os cães e gatos desde filhotes para desenvolver o paladar e acostumá-los a sabores variados. Esta medida pode ser muito útil no caso do animal precisar ingerir uma dieta terapêutica diferente. OS gatos devem se habituar a comer alimeto úmido desde a infância! SÃO MUITOS COMUNS OS CASOS DE INSUFICIÊNCIA RENAL EM GATOS IDOSOS E A INGESTA LÍQUIDA É FUNDAMENTAL!

Claro que oferecemos o melhor que podemos para nossos animais, mas não devemos estimular o paladar exigente. Se o animal só recebe ração, a tendência é ele comer bem para satisfazer sua fome. Se a cada dia que ele não quiser comer ração nós oferecermos um alimento diferente, podemos criar um animal muito exigente e ainda causar problemas digestivos (vômitos e diarreia).

 

Leia mais →

Novembro Azul é o mês mundial de combate ao câncer de próstata.

A incidência de câncer prostático em cães e gatos é rara, mas observamos outras patologias relacionadas à próstata.

Nos cães idosos ocorrem casos esporádicos de cistos e com uma maior frequência, o aumento do tamanho e volume da próstata – chamada de Hiperplasia Prostática Benigna (HPB).

Os cistos podem ser únicos ou múltiplos e normalmente não causam sintomas nos animais.

Os sintomas mais frequentes são decorrentes da compressão dos orgãos vizinhos. Quando a próstata está muito grande, o animal pode sentir dificuldade para urinar e as fezes podem ter aparência achatada. Também é possível observar alterações como urina com sangue e/ou secreção no pênis.

prostatic_disease_2009

Se os cistos infeccionarem, a próstata pode desenvolver um abcesso.

Na maioria das vezes, os cistos e a Hiperplasia Prostática Benigna são achados por acaso, quando o animal realiza uma ultrassonografia para investigação do abdomem.

Nos casos de infecção e/ou abcesso, o animal pode desenvolver sintomas como dor, febre e apatia.

É possível perceber o aumento da próstata através do exame de palpação retal, mas muitas vezes o cão é muito pequeno e demonstra muito desconforto durante o exame.

O tratamento das doenças prostáticas depende da presença ou não de infecção e do estado geral do animal.

A castração preococe dos cães diminui muito a incidência das doenças prostáticas.

Em casos de HPB, a castração mesmo no cão adulto ou idoso, causa uma diminuição do tamanho da próstata, resolvendo a grande maioria dos casos.

Os cães idosos também podem apresentar alterações nos testículos, geralmente tumores que podem ser benignos ou não.

Se o seu animal está com dificuldades para urinar e/ou defecar, apresenta secreção ou urina sanguinolenta e se os testículos estiverem com o tamanho diferente do normal, leve-o para atendimento veterinário.

 

 

Leia mais →

A sabedoria popular é passada de geração em geração e deve ser respeitada, mas atenção!

Muitas informações são falsas, sem nenhuma comprovação científica e devem ser esquecidas.

Quem não se lembra da vóvó que dizia: Manga com leite faz mal, mata! Que bobagem, este mito foi criado no tempo da escravidão para evitar que os escravos (que tinham muito acesso às mangas) tomassem leite.

Vamos aos mitos que devem ser esquecidos:

1- As fêmeas devem ter pelo menos uma ninhada antes de serem esterelizadas.

Não é verdade, elas não “sonham” com a maternidade nem experimentam prazer no ato sexual, como as mulheres. A reprodução é o único objetivo. Pelo contrário, as fêmeas esterelizadas precocemente correm menos risco de desenvolverem tumores de mama e infecções uterinas.

2- Focinho quente e seco é sinal de febre.

A temperatura do focinho pode variar de acordo com o ambiente (seco, quente, frio) e se o animal está “suando” ou acabou de beber água. A única maneira de avaliar a temperatura é com um termomêtro por via retal (Normal 38º a 39,5ºc). Como não é fácil medir a temperatura sem ter experiência, observe o comportamento do seu animal, eles ficam muito prostrados quando estão com febre.

3- O cão só abana a cauda se estiver feliz.

Cuidado! Animais agressivos também abanam a cauda por excitação e ansiedade. Observe a postura corporal do cão por inteiro. Se ele estiver abanando toda a parte traseira do corpo e assumir a típica postura de brincadeira, fique tranquilo.

4 – Comer terra, tijolo, pedras, parede ou fezes é sinal de verminose ou desnutrição.

Não sabemos exatamente porque alguns animais comem “besteiras”(saiba mais clicando aqui). Pode ser por tédio ou para chamar atenção. Se o animal recebe uma dieta balanceada e é vermifugado regularmente, investigue a causa. Talvez ele precise de mais exercícios, brincadeiras e atenção.

5 – Os cães e gatos machos ficam mais calmos depois de cruzarem.

Eles até ficam, no dia da cruza, porque estão exaustos. Mas é só.

No dia seguinte estão novamente com a corda toda e provavelmente interessados a cruzar novamente, o que é dificílimo. Não recomendo a reprodução caseira, somente com criadores responsáveis. Para saber mais sobre castração, clique aqui.

6 – Lamber a ferida ajuda a cicatrizá-la.

É natural que o animal lamba sua ferida, mas em excesso, atrapalha a cicatrização.

 

7 – Grávidas não podem conviver gatos.

Absurdo total! Alguns gatos eliminam o toxoplasma nas fezes, mas são necessários alguns dias no solo para se tornarem infectantes e a via de transmissão é oral, isto é, a grávida precisa comer as fezes do gato. Toda grávida deve fazer exame de sangue para detectar anticorpos para toxoplasmose e evitar limpar a caixa sanitária de seu gato, assim como evitar carnes cruas ou mal passadas, vegetais crus e mal lavados e principalmente manipular terra ou areia que pode conter fezes de gatos (parquinhos, canteiros de plantas). Outra medida fundamental é sempre lavar as mão antes de levá-las à boca.

8 – Somente os cães machos montam e levantam a pata para urinar.

Fêmeas dominantes (algumas até esterelizadas) também montam em pessoas, objetos ou outros cães assim como levantam a pata traseira para urinar bem alto, na altura dos focinhos dos outros cães. Também chamo atenção para o fato da “monta” nem sempre ser sinal de interesse sexual. É uma demonstração de poder: quem monta é hierarquicamente superior. Quem se deixa montar é o submisso.

9 – É impossível treinar gatos.

Não é verdade, eles são muito inteligentes e podem aprender e responder bem a alguns comandos. Eu considero o mais importante ensiná-los a virem quando chamados. Gatos amam descansar em lugares escondidos, como gavetas, armários, entram embaixo dos sofás e quando precisamos sair e ter a certeza que estão bem ou até mesmo para evitar que fiquem presos no armário, vale a pena ter uma forma eficaz de chamá-los.

Funciona muito bem usar um assobio ou algum som marcante, alto e diferente dos sons do dia-dia. Sempre que for oferecer a ração úmida (eles costumam adorar), assobie antes. Faça disso uma rotina. Após algumas vezes, seu gato aparecerá sempre que você assobiar. Não se esqueça de premiá-lo! Desta forma ele tende a vir sempre que ouir este som.

Se for necessário ensinar ao seu gato que determinado local da casa é proibido, por ser perigoso, como o fogão, por exemplo, o ideal é fazer um barulho estranho para desviar a atenção dele. Você pode jogar um brinquedo ou outro objeto no chão (nunca na direção dele), a ideia não é assustá-lo e sim despertar a curiosidade dele para este objeto. Costuma funcionar bem.

Evite os borrifadores de água e outras opções que fazem barulhos altos, os gatos costumam se assustar muito.

Leia mais →

Viajar é muito bom, mas para quem tem animais de estimação é importante se planejar com antecedência!

Seu animal viaja com você,  fica em casa ou em alguma hospedagem?

Se decidir por levá-lo com você (opção mais divertida), certifique-se de alguns itens antes de partir:

  • seu animal está saudável? Na dúvida, leve-o ao veterinário antes
  • vacinação em dia – leve a carteira para comprovar em caso de acidente (seu animal pode se envolver em alguma briga ou até mesmo arranhar ou morder alguém)
  • use uma coleira com placa de  identificação (nome, telefone)
  • leve ração, em quantidade suficiente
  • leve os pote de água e comida
  • brinquedos, cama e tapete sanitário (se ele estiver acostumado) ou caixa sanitária + areia (gatos)
  • preventivo de pulgas, carrapatos e filariose em dia (saiba mais, clicando aqui)
  • se ele toma algum medicamento, leve em quantidade suficiente
  • se a viagem for de carro, evite alimentar seu animal antes, eles enjoam com muita frequência. Saiba mais sobre cinetose (enjoo de movimento) clicando aqui
  • se você já sabe que ele vomita, converse com o/a veterinário dele sobre alguma medicação preventiva
  • caixa de transporte ou cinto de segurança para transportá-lo de forma segura (saiba mais sobre caixa de transporte, clicando aqui)
  • se a viagem for interestadual ou para fora do país, cheque os documentos necessários (atestado de saúde emitido pelo veterinário, chip, exames de sangue)
  • algumas companhias aéreas permitem que o animal de porte pequeno viaje na cabine
  • sedação – para saber mais, clique aqui
  • tome cuidado com os gatos- se não estiverem muito acostumados ao novo ambiente podem se esconder, fugir e acabar se acidentando
  • se a família for ficar hospedada em um hotel, cheque se aceitam animais e se o terreno é todo cercado. Se for para casa de amigos, cheque se tem outros animais, se o espaço é fechado e  se existem plantas tóxicas e/ou produtos no jardim

Se optar por deixar seu animal:

  • visite e escolha em qual hospedagem seu animal vai ficar
  • reserve com antecedência
  • vacinação e preventivo de parasitos em dia
  • combine qual será a alimentação durante a estadia
  • deixe o telefone do seu veterinário e de algum responsável em caso de necessidade
  • não esqueça de levar os “pertences”-cama, potes, brinquedos para seu animal se sentir mais confortável
  • leve os medicamentos necessários
  • se for uma fêmea no cio, avise ao responsável da hospedagem
  • as vezes é possível deixar o animal em casa com algum amigo ou parente que concorde em se hospedar na sua casa e cuidar de seu animal. No caso dos gatos, acho a melhor opção (também existe o serviço de “cat sitter”)
  • atualmente, existem aplicativos (como o Dog hero) para encontrar famílias que desejam hospedar um animal em casa! Vale experimentar!

Boas férias! Divirtam-se!

Leia mais →

Você acaba de chegar em casa, com o mais novo integrante da família, mas como lidar?

Ele vai chorar?

Melhor deixar ele sozinho ou grudado comigo?

Aonde posicionar o “banheiro” dele? E a alimentação?

São muitas dúvidas.

Se o gato ou cachorro adquirido for um filhote, leia as recomendações do texto “Orientação Pediátrica”, clicando aqui.

Se o animal já for adulto, siga estas recomendações:

  • Leve-o para atendimento veterinário! Tire todas suas duvidas e peça orientação a respeito de vacinação (saiba mais clicando aqui), vermifugação e controle de pulgas e carrapatos (saiba mais aqui).
  • Alimentação: siga a mesma dieta que ele comia anteriormente. Se quiser trocar, faça de forma gradativa. Misture a alimentação antiga à nova aos poucos. Este processo deve durar aproximadamente uma semana. Não deixe alimento disponível para os cães. Adultos comem 2 vezes ao dia, de preferência na mesma hora. Se ele não comer na hora que você oferecer, guarde e ofereça novamente na refeição seguinte. Os gatos precisam de várias refeições ao dia. Se for necessário deixar disponível, quantidade precisa ser controlada. Para savebr mais, clique aqui.
  • Se ele tiver um brinquedo ou “paninho” da casa anterior, deixe-o ficar junto com este objeto. Pode ajudar muito na adaptação.
  • Cães – escolha um local para “banheiro” e clique aqui para saber mais.
  • Gatos- a caixa sanitária não deve ficar em locais de difícil acesso, próximos a maquinas barulhentas, nem do comedouro e bebedouro. Para saber mais sobre “banheiro de gato”, clique aqui.
  • Se seu animal estiver muito tímido ou medroso, não force-o a conhecer muitas pessoas nem a ficar no ambiente mais movimentado da casa. Conquiste-o aos poucos! Chame-o para brincar, ofereça petiscos interessantes e assim ele vai se aproximar de maneira voluntária. Não force a barra!
  • Prepare sua casa! Retire tapetes e objetos preciosos. Até ele aprender o que pode ou não fazer é mais seguro e evita aborrecimentos. Se necessário, deixe-o separado de algum cômodo “proibido”. Gatos são curiosos e sofrem acidentes com frequência. Mantenha as janelas protegidas com telas ou grades.
  • Ofereça “ambientes verticais” para os gatos: prateleiras, espaço em cima do armário, passagens entre cômodos etc (Saiba mais aqui).
  • Evite ficar grudado no seu animal. Pode ser irresistível, mas a tendência é ele ficar muito dependente e só se sentir seguro na sua presença. Force momentos de separação, deixando-o fora do mesmo cômodo que você está, nem que seja por 5 minutos. Aos poucos vá aumentando este tempo. Evite deixar ele entrar no banheiro com você, por exemplo.
  • Evite se despedir e cumprimentá-lo de maneira muito efusiva. O animal pode acabar associando as saídas e chegadas como os melhores momentos do dia.
  • Ofereça um “porto seguro”: pode ser uma caixa de transporte, um cantinho, uma poltrona, uma caminha, um espaço embaixo de um armário – eles tendem a se sentir seguros e acolhidos em espaços pequenos.
  • Brinque muito com seu novo amigo! Existem muitos brinquedos disponíveis.
  • Socialize-o! Apresente o novo membro da família para seus amigos, parentes e visitantes. Peça para as pessoas oferecerem petiscos, brincarem e se relacionarem de forma carinhosa com seu animal.
  • Acostume-o a ser manipulado. Se o animal permitir, mexa nas orelhas, dentes, barriga etc. Sempre de maneira sutil e carinhosa. Nunca ultrapasse o limite dele! Pode até ser perigoso! Mas aos poucos, vá conquistando sua confiança e preparando-o para ser examinado sem estresse.
  • Se o animal demonstrar medo de barulhos como fogos, trovões etc, evite consolá-lo. Você pode deixá-lo próximo a você, mas sem fazer carinho nem conversar. Saiba mais, clicando aqui.

Aqui no Bicho Saudável, você encontra  muitos textos orientando a ser relacionar de forma harmônica com seu cão ou gato.

Algumas sugestões:

http://www.bichosaudavel.com/dicas-para-bom-comportamento/

http://www.bichosaudavel.com/brincar-de-morder/

http://www.bichosaudavel.com/caixa-de-transporte/

http://www.bichosaudavel.com/passeios-com-caes/

 

Leia mais →
Carregando..