Vamos conversar sobre cães e gatos!

Toda semana, eu e a jornalista Giuliana Girardi recebemos convidados para dividirem histórias e experiências com seus pets.

Uma produção do Fantástico e do G1, “Bicho na Escuta” também responde as dúvidas e revela curiosidades do universo pet.

Aqui eles são protagonistas!

Os episódios são publicados toda quinta-feira e estão disponíveis no G1, no Globoplay e em todos os tocadores digitais de áudio.

Clique aqui para ouvir

Leia mais →

A maioria dos cães e muitos humanos sensíveis sofrem quando escutam sons altos e fortes como o som dos fogos.

Pode ser em época de jogos de futebol, no Réveillon, nas festas juninas e até mesmo quando tem tempestade com trovões.

Um dos motivos, é o fato da audição dos cães ser mais sensível que a humana.

Eles escutam mais alto e alcançam uma frequência maior que a nossa:

Homem – 20 Hz a 20 Khz

Cão  – 40 Hz a 60 Khz

Gato – 20 Hz a 78 Hz

Isto significa que eles escutam sons inaudíveis para nós.

Para os animais, além de ser um som muito forte e alto, é uma surpresa. Eles não sabem a origem, não sabem que foi alguém que produziu aquele som, para se divertir.

Eles podem até confundir com o som de uma catástrofe natural como um terremoto, um desabamento.

Vocês se lembram dos animais fugindo da Tsunami minutos antes dela acontecer?

Muitas vezes ainda surgem luzes diferentes no céu e até cheiro de pólvora no ambiente. Este cenário é bastante assustador para a maioria dos animais.

Muitos animais que sentem medo de barulhos já vivenciaram uma experiência desagradável e traumática, especialmente se estavam sozinhos durante um Reveillon ou jogo de futebol.

Este é mais um motivo para evitarmos que eles fiquem sozinhos e sintam medo nestas ocasiões.

Os animais que apresentam um medo leve, costumam tremer, seguir a pessoa querida pela casa, ficam ofegantes e procuram se esconder.

Aqueles que apresentam fobia de barulhos altos,  entram realmente em pânico e podem ficar agitados, correndo de um lado para o outro, podendo até fugir de casa e se machucar.

Não esqueço de um cachorro que atendi durante um jogo do Brasil na Copa de 1998 que atravessou uma varanda de vidro e ficou bastante machucado.

Nós podemos e devemos ajudá-los.

O tratamento ideal é a dessensibilização.

Isto significa expor o animal ao som bem baixinho, gradualmente enquanto ele experimenta sensações prazerosas e se sente confortável.

Se o tratamento for bem feito, o cão pode melhorar muito e não mais apresentar os sinais de medo. Mas este tratamento precisa ser realizado com antecedência, precisa ser feito por alguns meses.

Além dos veterinários que trabalham com comportamento, muitos educadores caninos também realizam a dessensibilização, utilizando CDs com sons de fogos, bombas e tiros entre outras opções na internet.

Mas muitos animais também precisam da ajuda de medicações para lidar melhor com o tratamento.

Neste caso somente um(a) veterinário(a) poderá receitar o medicamento.

Se você não tiver como tratá-lo a tempo, podemos ao menos amenizar o sofrimento.

Se o seu animal apresenta sinais de pânico, procura se esconder e até mesmo “atravessar” paredes quando os fogos começam, procure seu veterinário e converse sobre a possibilidade de medicá-lo. É possível usar medicações que diminuem a ansiedade, sem “dopar” o animal.

Não medique seu animal sem orientação veterinária!

Independente do seu cão ou gato sentir pouco medo ou entrar em pânico, vale a pena protegê-lo!

Os cuidados começam durante o dia, horas antes do Reveillon ou do “evento barulhento”.

Divirta-se bastante com seu cão, leve-o para passear ou brinque muito com seu gato, escolha os brinquedos favoritos e bem desafiadores, estimule todos os sentidos deles, enfim dê uma canseira neles!

Também não é interessante alimentá-los demais durante o dia para guardarmos apetite para a noite…

É importante que ele não fique sozinho. Se você vai sair, procure um amigo ou parente ou até mesmo contrate alguém para acompanhá-lo.

Escolha um cômodo da casa, o mais silencioso e protegido e construa um ambiente seguro, o menos estressante possível. O ideal é que todo cachorro tenha um “porto-seguro”, uma toca, um local que ele já gosta e se sente seguro nele.

Ligue um som ambiente, pode ser a TV ou uma música (existem até músicas compostas especialmente para cães e gatos! Clique aqui), feche as janelas, cortinas e ligue o ar condicionado ou ventilador na modalidade mais barulhenta.

Se o seu cão ou gato gosta de uma “toca”, como uma caixa de papelão ou até mesmo a caixa de transporte (saiba mais clicando aqui), ofereça esta opção. Podemos usar uma caminha, tapete, paninho e até mesmo uma roupa nossa usada para criar este “ninho” de segurança.

Vale a pena usar os ferômonios sintéticos disponíveis nas petshops (existem opções em spray e difusores para cães e gatos) para eles sentirem uma maior sensação de segurança neste ambiente – para saber mais, clique aqui.

Leve seu animal para este ambiente o máximo de vezes possível, antes do momento dos fogos (podem ser dias ou horas antes) e ofereça sensações prazerosas para ele, como petiscos, brincadeiras, massagens escovações (com escova macia!), você pode até cantar para ele!

A ideia é este ambiente se tornar um ótimo refúgio!

Quando os fogos começarem a estourar (em alguns lugares começam hooooras antes) leve seu animal para este cômodo (se é que ele já não estará lá!) e ofereça os alimentos preferidos dele.

Eu gosto muito da ideia de alimentar os animais de forma ativa, desafiadora, nós podemos esconder alimentos em brinquedos recheáveis, fazer trilhas com ração e/ou petiscos, usar caixas de papelão entre outras milhões de opções.

O ideal é que seu animal já esteja habituado a esta maneira diferente de comer, assim podemos incrementar ainda mais usando os alimentos favoritos congelados, por exemplo. Vale usar caldinho, frutas, alimentos humanos, úmidos, contanto que você conheça aqueles que seu animal gosta muito e se dá bem, isto é não apresenta problemas digestivos.

Mas se ele não estiver acostumado, tudo bem. Ofereça da mesma maneira.

Deixe-o sozinho neste ambiente o mínimo possível. Se precisar sair, volte sempre para monitorá-lo.

Evite demonstrar medo e desconforto para seu animal. Nossa insegurança só traz mais ansiedade para ele. Se você também se assusta e detesta fogos, disfarce.

Alguns animais ficam completamente “dominados”, congelados pelo medo e chega a ser impossível desviar a atenção deles para outra atividade.

Neste caso, deixe o seu cão no local protegido da casa, perto de você.

Se o seu cachorro já está habituado a usar fones de ouvido (sim, eles existem) e/ou coletes para aliviar a anisedade, fique à vontade! Mas não use nenhuma novidade num momento de aflição, pode piorar o quadro de desconforto dele.

Não brigue com ele, em hipótese nenhuma!

Não faz o menor sentido dar broncas e chamá-lo de medroso ou fracote – não ajuda em nada e só deixa o animal mais aflito.

Essas medidas não vão livrá-lo do medo, mas podem ajudar bastante.

Desejo um 2021 doce, suave e muito saudável a todos!

(Não solte fogos! Os animais agradecem!)

Leia mais →

Participo do programa desde 2014, com opiniões e dicas veterinárias.

O programa é ao vivo, de segundas às sextas-feiras das 10h45 às 12h, na Rede Globo.

Para saber as datas das próximas participações, curta a pagina do Bicho Saudável no Facebook: https://www.facebook.com/bichosaudavel ou siga o Instagram @ritaericson.veterinaria

Assista aqui alguns trechos:

Clique no tema de cada programa

23/09/2014 – Problemas Comportamentais e a relação com os animais

06/10/2014 – Ansiedade de Separação (animais que não conseguem ficar sozinhos)

30/10/2014 – Cães que latem demais!

19/11/2014 – Interações entre animais

24/12/2014 – Crianças e animais e Vira-lata é o máximo!

19/03/2015 – Animais e viagens

18/06/2015- Abandono de animais

20/07/2015- Cães de Raças Gigantes

05/10/2015 – São Francisco de Assis, Cinomose 

05/11/2015 – Adoção

05/11/2015 – Raças pequenas

04/11/2016 – Férias e hospedagem de cães

12/01/2016 – Cães atletas

04/02/2016- Convivência entre animais de espécies diferentes

04/02/2016- Carnaval

23/02/2016-Comunicação felina – a partir do minuto 37

23/03/2016 – Animais de trabalho, cães que asistem cadeirantes

23/03/2016 – Cães atletas – huskies da Laponia

21/04/2016 Roupas, Acessórios e tosa artística e mais

04/05/2016 – Adoção de gatos e continuação deste tema

20/05/2016- Cuidados no Inverno

03/06/2016- Obesidade Canina

08/07/2016 – Cães caçadores

02/09/2016 – Cães distinguem palavras e emoções

07/11/2016 – Ocitocina, o hormônio do amor

03/01/2017 – Cães de presente!

15/03/2017 – Toxoplasmose e Esporotricose

22/05/2017 – Gato preto dá azar? Claro que não!

08/06/2017 – Linguagem corporal dos animais

27/06/2017 – Falar com Animais é sinal de inteligência!

01/09/2017 – Viajar com Cães

11/10/2017 -Maus Tratos

21/12/2017 – Animal de presente? Cuidados emergenciais com animais e Fogos

28/02/2018 – Animais com deficiência e Latidos de Sabedoria e Miados de Sabedoria

12/04/2018 – O poder transformador dos animais nas nossas vidas

16/05/2018 – Carrinhos para cães e perguntas da plateia (Tô querendo saber)

11/07/2018 – Fluff Challenge  Adestramento  Inteligência Animal (blocos 2,3 e 4)

23/08/2019 – A dor da perda de um animal de estimação

Perguntas da Plateia (Tô querendo saber)

31/10/2019 – Brumadinho e A dor da perda de um animal de estimação

25/04/2019 – Abril Laranja – Campanha alerta para maus tratos contra animais

Gabriel e Yellow e Crianças que maltartam animais

29/10/2019 – Mordida de cachorro

18/12/2019 – Maus-tratos e rinha de briga de cães

30/10/2020 – Abandono, Maus-tratos, Preconceito contra os gatos pretos no Halloween e Covid e animais de estimação

08/02/2021 – “Desafio do cão culpado” ou #guiltydogchallenge – programa gravado em casa, por causa da pandemia 🙁

Leia mais →

Esta nova coronavirose está afetando o mundo todo e nos deixando ansiosos, repletos de dúvidas e muitas vezes sem saber o que fazer.

As recomendações de higiene e segurança estão sendo amplamente divulgadas pela mídia e cabe a todos nós seguí-las:

  • lavar as mãos com frequência e da forma adequada
  • evitar levar as mãos aos olhos, boca e nariz
  • ao espirrar e tossir proteja a boca com um lenço descartável ou com seu próprio braço
  • mantenha distância de 1 metro das outras pessoas em caso de tosse ou espirro
  • procure assistência médica se estiver com febre e tosse com dificuldade respiratória
  • respeite as regras da sua cidade, região ou país (elas podem variar de acordo com a situação)

De acordo com as previsões dos órgãos de saúde o número de casos no Brasil só vai aumentar nas próximas semanas e precisamos fazer a nossa parte.

A princípio, não precisamos nos preocupar com nossos cães e gatos, pois não há nenhum indício de contaminação do Covid-19 nestas espécies.

NÓS NÃO TRANSMITIMOS PARA ELES E COMO ELES NÃO DESENVOLVEM A DOENÇA TAMBÉM NÃO TRANSMITEM PARA NÓS!

Os cães apresentam outro tipo de gripe (para saber mais clique aqui) e os gatos também desenvolvem doenças respiratórias ( clique aqui para saber mais), mas nenhuma delas é causada pelo coronavírus, nem são transmitidas para os seres humanos.

Contudo os cães e gatos também podem apresentar doenças causadas por outros tipos de coronavírus, mas além de não serem contagiosas para os seres humanos as suas manifestações não são respiratórias.

A coronavirose nos cães causa uma gastroenterite (o principal sintoma é diarreia) e nos gatos uma doença conhecida como PIF (peritonite infecciosa felina). Estas viroses também não são transmitidas para os seres humanos nem para outras espécies.

A mídia internacional divulgou um caso de um cachorro na China, que apresentou um resultado fraco positivo para o coronavírus, mas ele não apresentou a doença. A hipótese mais provável é que o material coletado no cão estivesse contaminado com o Covid-19 porque sua responsável estava positiva para a virose. Este cão ficou em quarentena por precaução e também para diminuir o risco dele “carregar” material contaminante no seu corpo para outras pessoas.

Por este mesmo motivo não é indicado que cães ou gatos que convivem com pessoas contaminadas pelo Covid-19 entrem em contato com outras pessoas. Desta forma, diminuímos a chance de contágio.

Priorize passear com seu cão em locais sem muitas pessoas e siga as recomendações de higiene já descritas.

Tenho ouvido algumas dúvidas a respeito da vacinação contra coronavirose, aquela que os cães recebem todo ano na vacina múltipla (óctupla ou decupla). Esta vacina é INDICADA SOMENTE PARA CÃES para protegê-los contra o coronavírus que afeta o sistema digestivo do cães.

ELA NÃO DEVE SER APLICADA EM NENHUMA OUTRA ESPÉCIE, NEM HUMANOS NEM GATOS E NÃO PREVINE CONTRA O COVID-19!

Podemos aproveitar este período que estamos mais tempo em casa para nos dedicar mais aos nossos pets, brincando mais com nossos animais, escovando, ensinando comandos e enriquecendo suas vidas com atividades que normalmente não conseguimos encaixar nas nossas rotinas.

Se você tiver dúvidas sobre este e outros assuntos, entre em contato!

Basta clicar aqui ou pelo perfil do instagram @ritaericson.veterinaria

Se o seu animal estiver precisando de assistência veterinária, leve-o numa clínica, mas certifique-se do horário de funcionamento e tente agendar o atendimento para evitar deslocamentos e encontros desnecessários na sala de espera.

São tempos difíceis, mas vai passar!

Se cuidem!

Leia mais →

Latir é normal. O problema é o exagero.

Em primeiro lugar, devemos entender porque o cachorro está latindo exageradamente.

Espera-se que o cão nos avise, dê o sinal de alguém que chega, latindo.

Mas os cães podem latir por diferentes motivos: ansiedade, tédio, solidão, para chamar atenção, para dar algum sinal ou simplesmente porque se sentem bem.

Se o seu cão late somente quando a família está em casa, ele provavelmente é um sinalizador, quer te avisar sobre alguma ameaça (mesmo que somente na interpretação dele). Ou está tentando chamar sua atenção.

Nada como contar com seu fiel escudeiro para se sentir mais seguro, mas ele precisa parar de latir quando já fomos avisados do “perigo” (na maioria das vezes, uma visita). E é possível ensiná-lo.

Como em qualquer treinamento, precisamos ser claros e consistentes. O cão precisa entender o que queremos dele.

Não adiantar gritar “QUIETO” ou “NÃO LATE”. Ficamos todos mais agitados, cansados e não funciona!

Existem várias técnicas de adestramento para ensinar o cão a controlar os latidos.

Experimente ficar ao lado dele. Quando perceber que ele vai latir, mande-o sentar. É claro que ele já precisa saber e obedecer o comando SENTA.

Assim que ele parar de latir, elogie-o e/ou ofereça um petisco.

Quando o cão late para chamar a sua atenção, experimente ignorá-lo COMPLETAMENTE, sempre que ele latir. Você pode até levantar e sair do ambiente. Lembre-se que para o cachorro, uma simples troca de olhares é compreendida como atenção. Nem olhe para ele.

Para não deixá-lo carente de atenção, sempre que ele desistir, parar de latir e estiver quieto, chame-o para brincar, escove-o, enfim, dê atenção.

Quanto melhor for a qualidade de vida do animal, mais equilibrado e feliz ele será e consequentemente, ele latirá menos.

Existem diversos brinquedos que deixam o animal entretido, como aqueles recheáveis. Usamos algum alimento saboroso e o animal fica envolvido em retirá-lo de dentro do brinquedo.

Saiba mais clicando aqui.

Estes tratamentos objetivam diminuir o latido em excesso e costumam funcionar muito bem porque retiram todas as recompensas que até então, reforçavam o comportamento indesejado.

Se o seu cão é extremamente agitado, ansioso e não tem nenhum nível de obediência, você pode precisar de ajuda profissional (adestrador e veterinário especialista em comportamento animal).

Vale a pena tratar os cães que latem demais. Não só para reduzir o barulho e não incomodar os vizinhos, mas também para ter um animal mais equilibrado e feliz.

Leia mais →

Você já pensou o tanto que podemos aprender com cães e gatos?

Pensando em coisas que os animais podem ensinar aos humanos e também nas atitudes que nós podemos ter para melhorar a vida deles, eu escrevi estes dois livros muito especiais, o Latidos de Sabedoria e o Miados de Sabedoria, que estão em pré-venda!

Os cães, por exemplo, tratam todo mundo com igualdade, não valorizam dinheiro, nem poder. São puro amor! ?

Já os gatos nos ensinam que se alongar ao sair da cama é necessário. O alongamento ativa os movimentos dos músculos e aumenta a circulação sanguínea para todo o corpo, inclusive o cérebro. Muito inteligentes, né? ?
.
Os livros podem ser adquiridos individualmente ou em um combo. E fazendo o pedido durante a pré-venda você recebe brindes exclusivos:
+ marcador de páginas
+ ecobag estampada

Para comprar, no site da Editora Belas Letras, clique aqui.

Os envios iniciarão a partir do dia 17/02/20.

Leia mais →

Seu cão está doente? Caprichoso? Ou cansado da dieta do dia-dia ?

Vamos considerar que ele está saudável, mas não se anima para comer.

A situação mais frequente é o cachorro recusar a ração seca que oferecemos ou demorar horas para comer.

Neste momento, como você e sua família se comportam? Insistem, ignoram, consolam ou oferecem comida na mão?

Se ele estiver recebendo muita atenção quando se recusa a comer, ele pode continuar assim até receber toda atenção extra que deseja.

Se o seu cão está “mimado”, só come se alguém insistir, não transforme a hora da refeição numa barganha por atenção.

Simplesmente coloque a ração na vasilha e se afaste. Se ele não comer imediatamente, retire a vasilha do chão, guarde em local fresco e seco (dentro de 1 saco plástico, por ex) e só ofereça na refeição seguinte.

Não se assuste se ele não comer. Se o seu coração não aguentar, ao invés de só oferecer na refeição seguinte, experimente 1 h depois. Outra tentativa é retirar metade do conteúdo e colocar a vasilha no chão novamente. Se ele ainda não quiser, repita a operação e quando estiverem sobrando apenas alguns grãos, pode ser que o instinto de sobrevivência fale mais alto, e ele coma. Afinal, o alimento está sumindo! É melhor garantir.

É importante lembrar que os cães eram caçadores. Os caçadores nem sempre obtém alimento todos os dias. A capacidade de jejum deles é enorme. Um cão é capaz de ficar 3-4 dias sem comer, sem desmaiar como acontece com seres humanos, mas atenção: eles não podem ficar sem beber água.

Tendo a certeza que há alimento disponível, quando a fome apertar ele vai comer.

Evite adicionar carne ou outra proteína animal na ração. A quantidade ideal de proteína já está contida na ração, a maior vantagem de alimentar os animais com rações industrializadas de qualidade, é a garantia de uma nutrição completa, balanceada e equilibrada.

Mas, se você quiser adicionar sabor na ração, considere colocar um pouquinho de petisco, frutas outro tipo de alimento na ração. Alguns animais já ficam animados e comem melhor com um simples fio de azeite por cima. Saiba quais aliemntos não devem ser oferecidos, clicando aqui.

Uma outra alternativa é misturar a ração seca com ração umida, desta forma não quebramos o balanceamento da dieta e o cachorro fica mais animado com o cheiro e sabor da dieta umida.

Este pode se tornar um hábito difícil de retirar, pense bem e converse com o(a) veterinraio(a) que cuida do seu cachorro.

Também é possível trocar a marca da ração de vez em quando, mas faça isso de maneira gradual e sempre opte por rações de qualidade.

Se o seu animal precisa de uma dieta especial (há rações comerciais para diabéticos, insuficiente renais etc, não gosta de ração de jeito nenhum ou você está disposto a mudar, é possível oferecer alimentos feitos em casa, mas é fundamental o acompanhamento de um nutricionista veterinário. As necessidades nutricionais dos cães são muito diferentes das humanas.

Para saber mais sobre alimentação natural, clique aqui.

 

Leia mais →

Quer saber como você pode melhorar a vida do seu pet ? JB FM bicho saudavel

Acompanhe os podcasts com dicas veterinárias, comigo, Rita Ericson!

De segunda a sexta, aproximadamente às três da tarde.

Para ouvir a qualquer hora, em qualquer lugar, clique aqui.

Leia mais →

 

CBD é a abreviação da palavra canabidiol, um princípio ativo derivado da planta cannabis.

A cannabis ou popularmente conhecida como maconha, é uma planta que possui mais de 100 compostos químicos chamados de canabinóides e os mais conhecidos são o CBD e o THC.

O CBD é uma substância natural e embora não haja dúvidas sobre seus benefícios no controle da dor, da ansiedade além de outras indicações para seres humanos, ainda há muitos pontos e dúvidas a serem esclarecidos sobre o uso do CBD para cães e gatos.

É possível que você já tenha ouvido falar dos inúmeros benefícios do CBD e como ele tem ajudado os humanos a lidar com diferentes doenças.

Por isso o CBD está avançando cada vez mais no campo dos tratamentos holísticos (para saber mais, clique aqui).

É importante ressaltar que nenhuma medicação, mesmo que natural, funciona como uma solução mágica, indicada para resolver todos os males, para todos os indivíduos.

Entendendo o CBD 

Assim como os humanos, os cães e gatos também possuem sistemas endocanabinóides. O sistema endocanabinóide é uma rede de ativadores e receptores celulares que funcionam como reguladores de algumas funções fisiológicas como: humor, sono, dor, apetite e imunidade.

Nossos organismos, assim como o dos nossos pets, produzem canabinóides naturalmente – são os chamados endocanabinóides.

A planta Cannabis – CBD & THC

Ainda que existam alguns equívocos e preconceitos a respeito da planta cannabis, sabemos que são muitos os benefícios que o CBD pode oferecer.

Cannabis sativa L é o nome genérico da planta, mas ela possui muitas linhagens diferentes. Enquanto algumas linhagens produzem a maconha, que é ilegal no Brasil, outras linhagens produzem o cânhamo para fins terapêuticos e industriais (fabricação de tecidos, cordas, papéis etc).

O nome cannabis é um termo abrangente usado tanto para chamar o cânhamo quanto a planta da maconha.
Embora existam semelhanças entre a planta de cânhamo e a planta da maconha, também há diferenças e é fundamental reconhecê-las.

Apesar da planta cannabis geralmente conter CBD e THC (Tetrahidrocanabinol), as plantas de cannabis que contêm menos de 0,3% de THC são conhecidas como plantas de cânhamo (ou Hemp, em ingles). Antes de tudo, saiba que os produtos feitos das plantas de cânhamo são legais no Brasil.

Por mais que a planta da maconha seja mais conhecida por suas propriedades psicoativas, isso não quer dizer que ela também não tenha propriedades medicinais. São muitos os relatos de que a maconha ajuda vários indivíduos com diferentes problemas de saúde.

No entanto, ainda existe muito preconceito em relação à maconha, por ela ser comumente usada com objetivos recreativos.

Por outro lado, os produtos derivados da planta do cânhamo são considerados não-psicoativos, isto é eles não produzem nenhum efeito de “chapação”.

Quando o assunto é o CBD para gatos e cães, estamos nos referindo às formulações e produtos livres de THC . Logo, o CBD não deixará seu animal de estimação “doidão nem chapado”.

Além disso, queremos enfatizar que o uso terapêutico do CBD para cães e gatos já está legalizado no Brasil.

Mas é fundamental alertar que a substância THC é tóxica para os cães e gatos.

O uso da maconha é muito perigoso,  desanconselhado e pode intoxicar seu animal.

Assim sendo, só se deve usar o CBD derivado da planta de cânhamo, livre de THC, para os pets.

Sem dúvida, o produto mais popular no mercado é o óleo de CBD que é uma substância líquida e na maioria das vezes utiliza-se com um conta-gotas.

O uso do conta-gotas permite dosar com mais precisão a quantidade de CBD para os cães e gatos.

Na maioria das vezes, o óleo de CBD é administrado por via oral, diretamente na boca ou misturado com a comida ou ao petisco favorito.

Efeitos e Benefícios do CBD

Infelizmente ainda não existem muitos estudos científicos publicados sobre os benefícios do CBD para saúde dos cães e gatos.

Em alguns países, o uso do CBD terapêutico para humanos é legal há alguns anos e são muitos os relatos de cães e gatos que apresentaram melhora de quadros como:

Artrite – dor articular

Dor neuropática (nervos)

Inflamação intestinal

Epilepsia e convulsões – controle e diminuição de medicamentos controlados, muitos estudos estão sendo realizados para confirmar.

Ansiedade – a propriedade mais estudada do CBD é sua capacidade de promover o relaxamento, esse efeito é observado tanto em humanos quanto nos nossos pets.

Náusea (enjôo) e estimulante do apetite – pacientes submetidos aos tratamentos quimioterápicos (entre outros casos) frequentemente apresentam vomitos e falta de apetite.

Efeitos colaterais do CBD

Como não existem 2 indivíduos iguais, sejam eles cães, gatos ou humanos, os animais podem reagir de maneira diferente ao CBD.

O principal efeito colateral do CBD é a possibilidade de deixar seu animal um pouco mais letárgico do que o habitual.

Normalmente, os efeitos colaterais são inexistentes ou extremamente leves.

CBD para venda: um alerta

Embora a popularidade dos produtos de CBD venha crescendo, precisamos alertar que nem todos os CBDs são produzidos da mesma forma. O CBD ainda não é controlado e regulamentado de forma precisa. Portanto, é totalmente possível que os produtos de CBD que você encontra disponíveis não sejam exatamente o que você está esperando.

Certifique-se de que o produto é 100% natural, testado e certificado por um laboratório que lhe dirá exatamente quanto de CBD contém em seu produto.

É fundamental consultar um(a) veterinário (a) em relação à indicação e dose adequada de CBD para seu animal de estimação.

No Brasil ainda não encontramos produtos nas prateleiras das petshops, à base de CBD. Só é possível através de formulações controladas em farmácias especializadas.

Em muitos países da Europa e dos EUA , existem petiscos, cápsulas, óleo, entre outras formulações disponíveis para a venda.

Vale ressaltar que cães e gatos só podem tomar o CBD derivado da planta de cânhamo. Produtos que são ricos em THC, como a maconha recreativa ou até mesmo a medicinal, podem intoxicar os animais!

Portanto, nunca ofereça maconha para seu cão ou gato, de nenhuma maneira!

Não deixe ele comer nem nunca permita que assoprem fumaça nem vapor na direção do seu animal pensando que isso o ajudará.

É bastante provável que brevemente tenhamos estudos publicados com todas as indicações, recomendações, cuidados e melhores aplicações do uso terapêutico do CBD para nossos queridos cães e gatos.

Converse com o(a) veterinário(a) que cuida da saúde do seu animal.

Leia mais →

Conteúdo programático:
▪Luto
▪Eutanásia: desafios
▪Envelhecimento e finitude de cães e gatos
▪Comunicação de notícias difíceis
▪Sofrimento emocional do médico veterinário

Endereço: Univeritas
Rua Marques de Abrantes 55, Flamengo – RJ
Anfiteatro 1°andar

Data: 24/08/2019

Horário: 09h às 17h

Credenciamento às 08h30

Para se inscrever, clique no link abaixo:

Inscreva-se aqui

Apoio:

logo drogavet ok

 

Leia mais →
Carregando..